No domingo, São Paulo registrou mais sete mortes. Quarentena no Estado foi determinada pelo governador João Doria no sábado e vai durar 15 dias, de terça-feira (24) até 7 de abril

[Atualização] São Paulo continua a ser o Estado brasileiro com o maior número de mortes e de casos confirmados. Já são 22 vítimas fatais no estado e 631 confirmações. O Rio de Janeiro é o segundo: tem 186 casos confirmados e três mortes.

Roraima, que até ontem não tinha casos de Covid-19, agora já registra duas confirmações. Com isso todos os Estados do país já têm casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus. 

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil registra ao todo 1.546 casos do novo coronavírus. Somente a região sudeste concentra 817 pacientes infectados, o equivalente a quase 53% do total existente no território nacional. 

Situação no mundo

No mundo todo, há quase 336 mil casos confirmados da doença. O número de mortes no planeta já passa as a 14.600. Só a Itália, que agora é considerada o novo epicentro da doença, já tem quase 5.500 vítimas fatais. No mundo, foram curados 97.882, em sua maioria na província de Hubei, na China.

Quarentena no estado de São Paulo

Na tarde deste domingo (22), o governo de São Paulo confirmou mais sete mortes causadas pelo novo coronavírus, com isso, o número de óbitos no Estado agora é 22. No sábado (21), o governador João Doria anunciou que, a partir de terça-feira (24) todos os 645 municípios devem cumprir quarentena por 15 dias até 7 de abril.

Com a medida restritiva, bares, cafés, restaurantes de São Paulo deverão fechar. Restaurantes serão autorizados a funcionar somente por meio de serviços de entrega (delivery). “Não sofrerão com quarentena serviços essenciais nas áreas de saúde pública, saúde privada, alimentação, abastecimento, segurança e limpeza. Portanto, seguirão abertos hospitais, clínicas, supermercados, padarias (sem serviços de alimentação pronta) e açougues”, esclareceu o governador.

Estão excluídos da quarentena bancos e lotéricas, bem como aquelas indústrias cujo funcionamento, segundo Doria, é essencial durante o período para evitar desabastecimento no Estado e no país. As empresas que permacerem abertas devem adotar cuidados para evitar a transmissão do vírus entre funcionários. 

Na capital paulista, a determinação de fechar o comércio já vale desde sexta-feira (20). Apenas padarias, farmácias, restaurantes, supermercados, postos de gasolina, lojas de conveniência e de produtos animais, além de feiras livres poderão funcionar. Segundo o Bruno Covas (PSDB-SP), as lojas poderão continuar vendendo produtos por meio de e-commerce (sites e aplicativos) e telefone.

Fonte: Ministério da Saúde