Conhecido como uma ótima fonte energética, o açaí é uma frutinha roxa bastante conhecida no Brasil e que é típica da região amazônica, onde cresce a açaizeira, que é a palmeira que dá origem a ele.

Considerado também fonte de antioxidantes, o também é conhecido por ter uma ação anti-inflamatória.

Além disso, a cada 100 g de açaí há 247 calorias e ele serve como fonte de nutrientes importantes para o bom funcionamento do nosso organismo, como carboidratos, fibras, potássio, cálcio, ferro, fósforo, vitamina B1 e vitamina C.

Tudo isso parece ser muito bom, não é mesmo? Mas você já parou para pensar em como a fruta pode afetar diferentes órgãos do nosso organismo? Por exemplo, será que o açaí faz mal para o fígado?

A importância do fígado

Antes de trabalharmos a questão se o açaí faz mal para o fígado ou não, que tal conhecermos um pouco a respeito da importância desse órgão dentro do nosso organismo?

O fígado é conhecido como a maior glândula que existe no organismo humano, que oferece suporte a praticamente todos os outros órgãos do corpo. Não é possível para uma pessoa sobreviver sem que ela tenha um fígado saudável.

O órgão é responsável pela produção de uma substância chamada bile, que é necessária para a digestão de gorduras. Além disso, o fígado atua na desintoxicação do sangue para a eliminação de substâncias prejudiciais como álcool e drogas e no armazenamento do mineral ferro e de algumas vitaminas.

Ele trabalha ainda no armazenamento de glicose, na conversão do açúcar armazenado em açúcar funcional nos períodos em que os níveis de glicose estão abaixo do normal e na decomposição da hemoglobina, da insulina e de outros hormônios.

Mas não termina por aí – o fígado também converte a amônia em ureia, algo descrito como vital para o metabolismo, e atua na destruição dos glóbulos vermelhos velhos.

E então, o açaí faz mal para o fígado?

O açaí apresenta uma potente ação antioxidante e é uma das frutas que têm maior poder contra os radicais livres, substâncias que causam prejuízos à saúde do organismo e estão associadas ao envelhecimento precoce e ao desenvolvimento de doenças graves como o câncer.

O alimento possui um efeito significativo no que se refere ao sistema de defesa antioxidante do fígado, podendo auxiliar inclusive o processo de eliminação de toxinas.

Vale lembrar aqui que estamos falando da fruta natural e não de suplementos de açaí ou das versões industrializadas do alimento.

Por outro lado

Se estivermos falando do açaí que costumamos tomar em lanchonetes e estabelecimentos do tipo longe da região amazônica, a história pode ser diferente.

Como o sabor original da fruta não é doce, o que acontece é que, para melhorar o seu sabor e originar uma consistência mais atraente e parecida com a do sorvete, o que algumas empresas fazem é acrescentar uma quantidade elevada de conservantes, açúcar, gordura vegetal e emulsificantes.

Um dos ingredientes encontrados nesse tipo de açaí que passa bem longe da fruta original é o xarope de guaraná, que é composto por frutose, que, por sua vez, está associado ao desenvolvimento de gordura no fígado.

Além disso, segundo informações da Agência Fapesp, estudos realizados no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) mostraram que os ganhos metabólicos dos nutrientes da fruta são eliminados quando se trata de bebidas comerciais de açaí, que contam com a adição do xarope de glicose.

A professora associada do ICB-USP, Marília Seelaender, conversou com a Agência e contou que durante a primeira fase das pesquisas, ela e sua equipe testaram as bebidas de açaí em ratos sadios. O resultado foi que eles notaram o início de uma esteatose (ou fígado gorduroso).

Por outro lado, segundo a Agência Fapesp, na segunda etapa dos estudos, os cientistas substituíram o xarope de glicose pelo mel orgânico. Seelaender revelou que, dessa vez, tanto nos bichinhos sadios quanto nos com tumor, a ingestão da bebida fez com que a propriedade anti-inflamatória do açaí fosse manifestada.

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos analisou o açaí na tigela comercializado por uma rede de sucos e smoothies chamada Robeks.

Segundo a pesquisa, o resultado observado foi que cada porção vendida pela empresa, que vinha acompanhada somente de granola e fatias de banana, continha 65 g de açúcar, que é o correspondente a uma garrafa de 600 ml de Coca-Cola.

Agora, imagine só se além da banana e da granola, o consumidor adicionar outros complementos ricos em açúcar como chocolates, caldas, leite condensado e mousses?

A nutricionista e mestre em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Camilly Fratelli, revelou que essa mistura vendida em estabelecimentos como o Robeks leva uma quantidade menor da fruta açaí em sua composição, o que diminui a ação antioxidante.

A nutricionista aconselhou ao consumidor sempre verificar as embalagens dos açaís que comprar para checar se o produto carrega muitos conservantes.

Segundo ela, quanto menos ingredientes ele apresentar, mais saudável ele é. Fratelli ainda deu a dica de comprar o açaí em feiras orgânicas como forma de encontrar opções mais saudáveis do produto.

De acordo com o que a mestre em Ciências disse, existem alternativas de massa que trazem somente açaí e água, que a pessoa pode preparar em casa e acrescentar à própria mistura em sua casa, utilizando acompanhamentos saudáveis como as frutas, por exemplo.

Vídeo:

Gostou das dicas?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here